A verdadeira Escola Referência

E.E.B Roberto Schütz, em Taquaras. Sabedoria logo na entrada.

 

Antes de trocar a carreira de publicitária pela agricultura orgânica, eu trabalhei durante uns 4 anos no desenvolvimento das campanhas de divulgação de um projeto chamado Escola Referência. Isso começou lá em 1999. Eu fazia a direção de arte e o amigo Fernando Silveira fazia a direção de criação e o atendimento. Do outro lado, representando o Grupo RBS,  a aprovação ficava por conta da competente e rápida Patrícia Peixoto Arruda.

O projeto funcionava mais ou menos assim. A RBS juntamente com o Governo do Estado – na época Espiridião Amim – davam prêmios às escolas que desenvolviam ações pedagógicas diferenciadas. Tais ações deveriam proporcionar maior qualidade e eficiência ao ensino público estadual. Resumindo: era um incentivo para que as próprias escolas corressem atrás do que o governo deveria fazer. Mas não vou entrar nesse mérito da questão. Então, as escolas inscreviam seus projetos no concurso, uma comissão analisava/julgava e indicava os ganhadores. O prêmio era simbólico – 5 mil reais –  mas já ajudava em muito as escolas ganhadoras.

O anúncio abaixo foi em 2002, na última edição do projeto.

Ao longo de todos aqueles anos trabalhando no projeto Escola Referência percebi que o cuncurso premiava, nada mais nada menos, que a dedicação extra-curricular de todos os envolvidos na escola. Os projetos ganhadores refletiam a dedicação de diretores, professores, alunos e pais de alunos, que encontravam alternativas brilhantes na tão difícil vida escolar dentro do ensino público. Resumindo: as professorinhas faziam verdadeiros milagres. Falo professorinha não no sentido de diminuir a importância da mais nobre das profissões, muito antes pelo contrário. Professorinha no sentido carinhoso, fazendo reverência à figura fantástica desses profissionais (agora incluindo os professores homens) que dedicam sua vida à arte de ensinar.

Pois bem, ontem em reunião de pais na Escola de Educação Básica Roberto Schütz, de Taquaras, saí muito feliz de ter meus dois filhos matriculados nesta instituição pública de ensino. Ontem eu pude vivenciar a verdadeira Escola Referência. O projeto que eu ajudei a divulgar no passado infelizmente não existe mais, mas tenho certeza que existem muitas escolas referências espalhadas pelo estado. Escolas que sobrevivem à falta de políticas públicas adequadas graças à dedicação extra de pais e professores. Escolas que dão exemplos diários do que é ser referência para garantir a educação das crianças.

Escola aberta e integrada à comunidade.

Na escola referência os professores compram materias com o próprio dinheiro. A comunidade organiza mutirões de manutenção e pintura. Os pais ajudam na festa junina para arrecadar fundos. É claro que nem tudo é perfeito e todos enfrentam dificuldades. Mas a integração de todos os envolvidos é o primeiro passo para a mudança.

Escola de Educação Básica Robertu Schütz. Uma escola que faz parte da comunidade. Uma comunidade que faz parte da escola.  Isso sim é ser referência.

 

Letícia Weigert
O texto acima é de inteira responsabilidade de Letícia Weigert, não expressando necessariamente a opinião do Portal do Rancho.

Posts Relacionados

Deixe seu comentário » ()