Por que sexta-feira 13 dá azar

Por que sexta-feira 13 dá azar

Parasquavedequatriafobia: sexta-feira 13, Origens, História e Folclore

O Jornal Médico theBritish publicou em 1993 um estudo provocativamente intitulado “sexta-feira 13 o mau dia para sua saúde?”

Com o objetivo de mapear “a relação entre saúde, comportamento e superstição acerca da sexta-feira 13 no Reino Unido”, seus autores compararam a taxa de volume de tráfego para o número de acidentes automobilísticos em dois dias diferentes, sexta-feira comum e sexta-feira 13, ao longo de um período de anos.

Incrivelmente, eles descobriram que na região do estudo, enquanto um número considerável de pessoas preferiu não dirigir seus carros em uma sexta-feira 13, o número de internações hospitalares por acidentes de transito foi significativamente maior do que em sextas-feiras “normais”. Sua conclusão:

“Sexta-feira 13 dá azar para alguns. O risco de internação, como resultado de um acidente de transito pode ser aumentado em até 52 por cento. Ficar em casa é recomendável”.

Parasquavedequatriafóbicos – pessoas que possuem um medo mórbido irracional, de Sexta-Feira 13 ficarão assustadas agora, impulsionadas pela evidência aparente de que a fonte de seu terror profano pode não ser tão irracional, afinal. É desaconselhável encontrar consolo em um único estudo científico, no entanto, especialmente um tão peculiar. É provável que essas estatísticas têm mais a nos ensinar sobre a psicologia humana do que o a sorte ou azar de qualquer data especial no calendário.

Sexta-feira 13, “a superstição mais difundida”

O sexto dia da semana e o número 13 têm más reputações desde os tempos antigos. Parece inevitável o seu acontecimento em conjunto de um a três vezes por ano (haverá três ocorrências em 2012, com exatamente 13 semanas de intervalo) anuncia mais infelicidade do que algumas mentes crédulas podem suportar. Segundo algumas fontes é a superstição mais generalizada nos Estados Unidos atualmente. Algumas pessoas se recusam a ir para o trabalho no dia de sexta-feira 13, alguns não vão a restaurantes, muitos não pensam em marcar um casamento nesta data.

Quantos americanos no início do século 21 sofrem desta condição?

Segundo o Dr. Donald Dossey, psicoterapeuta especializado no tratamento de fobias (e criador do termo Parasquavedequatriafobia), o número pode chegar a 21 milhões. Se ele estiver certo, não menos de oito por cento dos norte-americanos permanecem nas garras de uma superstição muito antiga.

Exatamente a data do surgimento é difícil dizer, porque determinar as origens de superstições é uma ciência inexata, na melhor das hipóteses. De fato, na maior parte é suposição.

Diz a lenda: Se 13 pessoas se sentar para jantar juntas, uma vai morrer dentro de um ano. Os turcos detestam tanto o número 13 que foi praticamente excluído de seu vocabulário (Brewer, 1894). Muitas cidades não têm um uma rua 13 ou uma avenida 13. Muitos edifícios não têm um 13º andar. Eles acreditam que se os seus nomes tiverem 13 letras, terão a sorte do diabo (Jack o Estripador, Charles Manson, Jeffrey Dahmer, Theodore Bundy e Albert de Salvo todos têm 13 letras em seus nomes). Há 13 bruxas em um conciliábulo.

“Dúzia” do Demônio

Embora ninguém possa dizer com certeza quando e por que os seres humanos em primeiro lugar associados o número 13 com o infortúnio, a superstição parece ser bastante antiga, e existe uma variedade de teorias – a maioria das quais merecem ser tratadas com um ceticismo saudável, observe – pretendendo traçar suas origens na Antiguidade e além.

Tem sido proposto, por exemplo, que receios em torno do número 13 são tão antigos como o ato de contar. O homem primitivo tinha apenas os 10 dedos dois pés para representar as unidades, esta explicação vai, para que ele pudesse contar não superior a 12. O que ficava para além disso, o número 13, era um mistério impenetrável para os nossos antepassados pré-históricos, portanto, um objeto de superstição.

Homem primitivo

Vida e morte

Apesar dos temores a cerca do número 13 possuído pelos caçadores-coletores ancestrais, civilizações antigas não eram unânimes em seu pavor pelo 13. Os chineses consideravam o número de sorte, destacam estudiosos, assim como fizeram os egípcios no tempo dos faraós.

Para os antigos egípcios, a vida se dava em busca de ascensão espiritual que se desenrolava em estágios – 12 nesta vida e 13 além dela, considerada a vida eterna após a morte. O número 13 consequentemente simbolizava a morte, não em termos de poeira e deterioração, mas como uma transformação gloriosa e desejável. Embora a civilização egípcia tenha acabado, o simbolismo conferido ao número 13 pelo seu sacerdócio sobreviveu, podemos especular, apenas que o significado foi corrompido por culturas subsequentes que vieram a associar 13 com um medo da morte, em vez de uma reverência pela vida após a morte.

Cultura Egípcia

Amaldiçoado

Ainda outras fontes especulam que o número 13 pode ter sido propositadamente difamado pelos fundadores de religiões patriarcais nos primeiros dias da civilização ocidental, porque representava a feminilidade. O treze teria sido reverenciado por culturas pré-históricas como deus, dizem-nos, porque correspondia ao número de ciclos lunares (menstrual) em um ano (13 x 28 = 364 dias). A “Mãe Terra de Laussel”, por exemplo – uma escultura de 27.000 anos encontrada perto das cavernas de Lascaux na França, muitas vezes citada como um ícone da espiritualidade matriarcal – retrata uma figura feminina segurando um chifre em forma de meia lua tendo 13 entalhes. À medida que o calendário solar se destacou sobre o lunar com o surgimento das civilizações, resumidamente, o mesmo aconteceu com o número “perfeito” 12 sobre o número “imperfeito” 13, posteriormente considerado amaldiçoado.

Mãe Terra de Laussel

Por outro lado, um dos primeiros tabus concretos associados com o número 13 – um tabu ainda observado por algumas pessoas supersticiosas hoje, aparentemente – diz-se que se originou no Oriente com os hindus, que acreditavam que, por algumas razões alguma infelicidade sempre acontecia quando 13 pessoas se reuniam em um só lugar – diz-se, em um jantar. Curiosamente, precisamente a mesma superstição tem sido atribuída aos antigos vikings. Essa história foi estabelecida da seguinte forma:

E Loki completa os 13

Doze deuses foram convidados para um banquete em Valhalla. Loki, o Maligno, o deus do mal, havia sido deixado fora da lista de convidados, mas apareceu na festa, elevando o número total de participantes para 13. Fiel ao caráter Loki trouxe o inferno por incitar Hod, o deus cego do inverno, para atacar Balder, o Bom, que era o favorito dos deuses. Hod tomou uma lança de visco oferecido por Loki e obedientemente atirou em Balder, matando-o instantaneamente. Todos em Valhalla ficaram tristes. E embora se possa tomar a moral desta história de se ter “Cuidado com os visitantes indesejados que ostentam visco,” os nórdicos, aparentemente, concluíram que 13 pessoas num jantar simplesmente traz má sorte.

Tristeza em Valhalla

Como se quisesse comprovar o fato, a Bíblia nos diz que eram exatamente 13 pessoas presentes na Última Ceia. Um dos convidados para o jantar, Judas, traiu Jesus Cristo, preparando a cena para a crucificação.

Você lembra que a crucificação foi realizada em uma sexta-feira?

Diz a lenda: Nunca troque sua cama na sexta-feira, que irá trazer pesadelos. Se você cortar suas unhas na sexta-feira, elas não cresceram bem novamente. Não inicie uma viagem na sexta-feira ou você vai encontrar infortúnio. Os navios que zarparem em uma sexta-feira terão má sorte, como no conto do H.M.S. Sexta-feira. Em algum momento do século 19, o governo britânico tentou acabar de vez com a superstição a cerca da data, entre os marinheiros. Para demonstrar a falsidade dessa crença, um navio especial, foi encomendado e recebeu o nome “H.M.S. sexta-feira.” Eles colocaram a sua quilha em uma sexta-feira, lançou-a numa sexta-feira, selecionou-se a tripulação em uma sexta-feira, o homem escolhido para o comando chamava-se capitão James sexta-feira. Para completar, H.M.S. Sexta-feira partiu em sua viagem inaugural em uma sexta-feira – e nunca mais foi visto ou ouvido novamente.

Sexta-feira má

Alguns dizem que a má reputação de sexta-feira vai até o

Jardim do Éden

Foi numa sexta-feira, supostamente, que Eva tentou Adão com o fruto proibido. Como todos nós aprendemos, foi assim que ambos foram expulsos do Paraíso. A tradição também diz que o Dilúvio começou numa sexta-feira; o Templo de Salomão foi destruído na sexta-feira; e, claro, sexta-feira foi o dia da semana em que Cristo foi crucificado. E, portanto, um dia de penitência para os cristãos.

Na Roma pagã, sexta-feira foi o dia da execução (mais tarde Dia da Forca na Grã-Bretanha), mas em outras culturas pré-cristãs o sábado era um dia de adoração, então aqueles que seguiam tradições seculares, nesse dia não podiam receber as bênçãos dos deuses – o que pode explicar o tabu persistente em embarcar em viagens ou iniciar projetos importantes nas sextas-feiras.

Para complicar as coisas, essas associações pagãs não foram perdidas na Igreja primitiva, que não mediram esforços para reprimi-los. Se sexta-feira foi um dia sagrado para os pagãos, os criadores da Igreja pensaram que não deveria ser assim para os cristãos – assim ficou conhecido na Idade Média como o “Sábado das Bruxas” e, portanto, paira em outro conto.

A Bruxa-Deusa

O nome Sexta-feira do inglês “Friday” foi derivado de uma divindade nórdica adorada no sexto dia, conhecido tanto como Frigg (deusa do casamento e da fertilidade) ou Freya (deusa do sexo e da fertilidade), ou ambos, as duas figuras que se tornaram interligadas ao difundir mitos ao longo do tempo (a etimologia de “Friday” foi dada em ambos os sentidos). Frigg/Freya correspondia a Vênus, a deusa do amor dos romanos, que nomeou o sexto dia da semana em sua honra “dies Veneris“.

Sexta-feira foi realmente considerada de bastante sorte por povos Teutônicos pré-cristãos, nos dizem – em especial como um dia se casar – por causa de sua tradicional associação com o amor e a fertilidade. Tudo isso mudou quando o cristianismo chegou. A deusa do sexto dia – Freya neste contexto, dado que o gato era seu animal sagrado – foi transformada bruxa no folclore pós-pagão, e seu dia tornou-se associado com maldades.

Freya a deusa do sexto dia

Várias lendas surgiram, mas uma é de particular interesse: Como diz a história, as bruxas do Norte usavam o sábado para se reunirem em um cemitério em noite de lua. Em uma dessas ocasiões a deusa da sexta-feira, Freya, desceu do seu santuário no topo das montanhas e compareceu perante o grupo, que contava apenas com 12 integrantes na época, e deu-lhes um dos seus gatos, que passou a integrar o grupo das bruxas – e, por “tradição”, todos devidamente formaram um clã desde então – compostos por exatamente 13.

A pergunta sem resposta

Embora tenhamos, até agora, relatado diversas possíveis conexões intrigantes entre eventos, práticas e crenças atribuídos a culturas antigas e o medo supersticioso da sexta-feira e o número 13, ainda insistimos em busca de uma explicação de como, porque, ou quando estas vertentes distintas do folclore convergiram – se isso é de fato o que aconteceu – para difamar a sexta-feira 13 como o mais azarado de todos os dias.

Há uma razão muito simples para isso: ninguém sabe, e poucas explicações concretas têm sido propostas.

“Um dia tão infame”

 Uma teoria, recentemente oferecida como fato histórico no romance “O Código Da Vinci”, afirma que o estigma não veio sobre como o resultado de uma convergência, mas por causa de uma catástrofe, um único evento histórico que aconteceu cerca de 700 anos atrás. Esse evento foi a dizimação dos Cavaleiros Templários, a lendária ordem dos “monges guerreiros”, formado durante as Cruzadas cristãs para combater o Islã. Reconhecidos como uma força de combate durante 200 anos, por volta de 1300 a ordem havia se tornado tão difundida e poderosa que foi percebida como uma ameaça política pelos reis e papas e então derrubada por uma conspiração Igreja-Estado, como contado por Katharine Kurtz em Contos da Ordem dos Templários (Warner Books, 1995):

Em 13 de outubro de 1307, um dia tão infame que Sexta-Feira 13 se tornaria sinônimo de má sorte, os oficiais do rei Felipe IV da França realizaram prisões em massa em um ataque bem coordenado ao amanhece, que deixou vários milhares de Templários – cavaleiros, sargentos, sacerdotes, e os irmãos que servem – nas cadeias, acusados de heresia, blasfêmia, obscenidades, e as práticas homossexuais. Nenhuma dessas acusações jamais foi provada, mesmo na França – e a Ordem foi considerada inocente em outros lugares -, mas nos sete anos que se seguiram as prisões, centenas de Templários sofreram torturas horríveis forçando “confissões”, e mais de cem morreram sob tortura ou foram condenados a queimar na fogueira.

Cavaleiros Templários

Há problemas com a tese “dia tão infame”, não menos do que é que ele atribui enorme significado cultural para um evento relativamente obscuro na história. Ainda mais problemática para esta ou qualquer outra teoria postulando origens pré-modernas para um temor supersticioso da sexta-feira 13 é o fato de que ninguém foi capaz de documentar a existência de tal superstição antes do final do século 19. Se os povos em épocas anteriores consideravam a sexta-feira 13 como um dia de azar, nenhuma evidência foi encontrada para provar isso. Alguns estudiosos estão convencidos de o estigma é um fenômeno completamente moderno divulgado pela mídia durante o século XX.

Um acúmulo de maus presságios?

Voltando mais de cem anos, sexta-feira 13 nem sequer teve uma menção na edição de 1898 do Dicionário de E. Cobham Brewer, porém, pode-se encontrar referencias para “sexta-feira, um dia de azar” e ” Treze  azarado”. Quando a data de má sorte, finalmente, faz uma aparição em edições posteriores do livro, é sem afirmações extravagantes como a historicidade da superstição ou da longevidade.

A menção é muito breve: “Sexta-Feira 13:. Uma sexta-feira particularmente azarada. Ver Treze” – implicando que a porção extra de infortúnio pode ser contabilizado em termos de uma competência simples, por assim dizer, de maus presságios:

SEXTA-FEIRA AZARADA + 13 AZARADO = SEXTA-FEIRA DE EXTREMA MÁ SORTE

Se for esse o caso, nós somos culpados de perpetuar um equívoco, rotulando sexta-feira 13 “o mais azarado dia de todos,” uma denominação talvez melhor reservada para, digamos, uma sexta-feira 13 em que se quebra um espelho, caminha debaixo de uma escada, derrama o sal, e vê um gato preto cruzando o caminho de alguém – um dia, se é que já houve um, melhor permanecer na segurança da própria casa um com portas trancadas, janelas fechadas, e os dedos cruzados.

Pós-escrito: A nova teoria

Em 13: A história de superstição mais popular do mundo (Avalon, 2004), autor Nathaniel Lachenmeyer argumenta que a mistura de “Sexta-feira azarada” e “13 azarado” teve lugar nas páginas de uma obra literária específica, um romance publicado em 1907 intitulado “Sexta-feira, o décimo terceiro”. O livro, completamente esquecido agora, tratava sobre negócios sujos no mercado de ações e vendeu muito bem na época. Tanto a frase do titulo quanto premissa de fobia por trás dele – ou seja, que as pessoas supersticiosas consideram sexta-feira 13 como um dia extremamente azarado – foram imediatamente adotada e popularizada pela imprensa.

Sexta-feira, o décimo terceiro

Parece improvável que o romancista, Thomas W. Lawson, literalmente inventou essa premissa a si mesmo – ele o trata dentro da história, na verdade, como uma noção que já existia na consciência do público – mas ele certamente tratou o assunto com seriedade e o colocou em um caminho para se tornar a superstição mais difundida nos tempos modernos.

Você é supersticioso com relação a Sexta-Feira 13? Comete sobre isso.

Saty Jardim
O texto acima é de inteira responsabilidade de Saty Jardim, não expressando necessariamente a opinião do Portal do Rancho. Saiba mais sobre o autor.

Posts Relacionados

Deixe seu comentário » ()