carregando...
Portal do Rancho

O Portal do Rancho é uma iniciativa independente de Jonei Bauer e Saty Jardim. As opiniões nos textos são de inteira responsabilidade dos colunistas.

Siga-nos

Qual o problema com o nosso turismo?

Qual o problema com o nosso turismo?

Como é a realidade do turismo em Rancho Queimado e como a percebemos? O que falta para que ele se consolide de maneira eficaz?

Rancho Queimado é por excelência um município único!

Rancho Queimado, de um ignorado e esquecido município catarinense citado nos índices de cidades mais pobres de Santa Catarina no final da década de oitenta, sofreu uma revolução graças ao trabalho engajado da comunidade, e em especial às mulheres de Taquaras. Inventou-se uma tradição: a Festa do Morango, e esta deu Identidade ao povo daqui. A mídia hoje reconhece: somos a Capital Catarinense do Morango, um lugar ímpar onde todos querem passear, morar ou adquirir um naco de terra. Somos a tradução de requinte, sustentabilidade e turismo de inverno.

Esse é o trabalho que se desenvolve: tornar o município como a maior referência de turismo dessa estação que pede aconchego, sopas, chocolate quente e founde. Mas o que falta no turismo daqui? Qual o entrave que existe para que os gestores – no poder há tantos anos – não consigam alavancar e consolidar esse Turismo, que a cada dia parece mais distante e utópico?

Volto a recordar uma frase que usei em textos anteriores: “Rancho Queimado não precisa ter o maior; somos o melhor”. Governantes, não esqueçam disso!

Vamos valorizar a essência que possuímos: temos o melhor a oferecer

Nada de grandes espetáculos – isolados, que não têm continuidade. Vamos reconhecer o que temos de melhor a oferecer. Foi o que a Festa do Morango sugeriu. Temos o melhor mel, as melhores geléias, doces e licores; o melhor artesanato; os melhores queijos, broas, cucas e pães, etc. Essa é a essência que o turista procura.

Turista não quer um Portal Turístico deslocado da realidade (outro em total abandono há vinte anos). Turista não quer Casa do Turista – ele quer lugares pra visitar, quer casas, comidas, jardins, pessoas. Ele não quer Praça Coberta – ele quer feiras, exposições, atividades e atrativos. Ele quer não apenas a fotografia bonita: ele deseja absorver e compreender a essência do modo de viver, falar e vestir. Ele quer o pertencimento.

Quais projetos nesse sentido são desenvolvidos? Quantas oportunidades estão sendo perdidas e esquecidas! Somos Indutores de Turismo do Brasil. Que grandes exemplos podemos ofertar? Claro, exemplos são os particulares: são eles que fomentam o turismo daqui. O Distrito de Taquaras garante seu público porque tem o Galpão Tropeiro e o Rancho Ecofrutícola. No Centro, temos o pioneirismo do Kaffeehaus.

Precisamos de uma política pública que dê ênfase aos nossos potenciais. Precisamos estruturar nosso turismo com cooperativas e associações. Mas isso sem o auxílio e a participação ativa do poder público é o mesmo que nada, ou seja, é o mesmo que vivemos hoje e há longos anos. A hora é agora! Esses trabalhos isolados e esquecidos, quando não silenciados (às vezes), precisam aparecer. As escolas daqui precisam preparar seus alunos sobre esses temas. Precisamos formar consciência ecológica e noções de turismo sustentável. Precisamos capacitar os artistas e artesãos daqui. Precisamos de guias e monitores para o turismo. Precisamos de líderes políticos que entendam de turismo (não líderes políticos que trabalham pro turismo dos seus estabelecimentos).

As abelhas daqui produzem o melhor mel do mundo!

O material de divulgação está ultrapassado – são os mesmos banners há anos. O panfleto é vago. As praças e beiras de estradas estão em total abandono. Estradas esburacadas. Calendário de eventos que não é seguido. Os grupos folclóricos, corais, banda e outros mínguam por auxílio (parabéns à garra e persistência dos que lutam pela sobrevivência deles), a Festa do Morango mendiga ano após ano – justo ela que elevou o status de Rancho Queimado. E isso tudo, por quê?

Porque falta competência aos nossos governantes. A que sobra para que eles se perpetuem nos cargos, falta para administrarem, infelizmente. Não existe uma política de assistência continuada aos grupos e eventos, aos talentos daqui. E essa política não exige dinheiro, quantias exorbitantes, para eventos que não têm essências – como o fracassado Festival de Inverno; exige competência e engajamento. Exige pequenas e sutis ações que fazem todo o diferencial. Repito, é o que se faz na Festa do Morango.

Por mais que se critique o trabalho desenvolvido pela Associação Comunitária do Distrito de Taquaras – um trabalho todo voluntário – é ele que dá reconhecimento e dignidade ao município. Os moranguicultores estão satisfeitos: têm casa nova, carro novo, qualidade de vida. E com isso vem a autoestima e o significado da palavra pertencimento. Eles sabem da sua importância no elo que os unem. Saímos da lista dos municípios pobres e hoje estamos na lista dos mais valorizados, onde o hectare de terra é o mais caro do estado de Santa Catarina.

Trabalho engajado e competência administrativa. Fica a dica. Do contrário, teremos o turismo isolado e minguado de sempre. E dizer que eu ia escrever sobre um termômetro,mas isso fica para a próxima… É isso!

Jonei Bauer:

O texto acima é de inteira responsabilidade de Jonei Bauer, não expressando necessariamente a opinião do Portal do Rancho.

Comentários:
  • Rita borges
    Responder

    O que os turistas sempre procuram é diversidade cultural, em regiões assim o que se mais deve estimular é a identidade regional das raízes de imigração. Quanto mais personalidade mais valor. Cultivem isso. Esta na moda turística.
    Procurem se informar sobre os projetos culturais do Ministério da Cultura sobre apoio a construção de praças culturais para pequenas cidades. Praças do PAC
    Bom ter no blog onde o turista pode ficar pousadas, hotéis, transportes, ônibus, como chegar.
    Bom estimular aos poderes públicos os transportes de trem como na Europa. Construir estradas de ferro que saiam da capital do Estado.
    Outra coisa é estimular construções de grandes pousadas rurais, com salões para eventos.
    Estimular a economia local do morango, principalmente o orgânico.
    Pousadas junto a moradia dos colonos. Dentro de suas próprias chácaras.
    Bom estimular a criação e produção do leite de ovelha, queijos de ovelha maturados de leite cru, que ficam sem lactose, problema de saúde que esta crescendo assustadoramente, de pessoas que tem intolerância ao leite de vaca devido à proteína também ser forte demais e a lactose. Por isso o leite de soja esta sendo muito vendido. As pessoas estão sem opção.
    Vai ficar rico quem produzir leite em pó de ovelha desnatado sem lactose. Teremos uma população grande daqui dez anos de pessoas em idade de não poder mais consumir leite de vaca.
    O leite de ovelha é mais rico que o leite de vaca em todos os aspectos, e de fácil digestão. O leite de cabra é mais fraco e menos saboroso.
    Pensem nisso.
    Bom planejamento para vocês

    Rita Borges
    Consultoria de Projetos Culturais
    48- 99014783

  • Roberto Carlos
    Responder

    Concordo plenamente, apesar de ver um uma palestra no último salão do turismo apontando fotos da praça coberta, casa do turista e do portal turistico na sua apresentação, de viajantes independentes, realmente acho desnecessários estes locais, poderia -se excluir do mapa, ai iria se tirar foto do comércio,da lagoinha da praça e outros, ai os turistas iriam se informár no comercio local(pois não é necessário um ponto de apoio ao turista) que diga-se de passagem este comércio na maioria são muito bem educados e solicitos com seus visitantes, Alunos teriam palestra no municipio em dia de chuva e frio em ceu aberto, pois não precisa de praça coberta e nem casa do turista.(irônico) é facil comparar o que eramos a 10 anos atraz e o que somos agora, e se focemos tão ruim como citado pelo colunista não estariamos entre os 65 destinos indutores a nivel brasil.

  • Paula jost – turismóloga
    Responder

    O problema do turismo em nosso municipio é a total falta de planejamento e interesse por parte do poder público e em alguns casos também da iniciativa privada. acredito que enquanto trabalharmos de maneira individualista, não teremos acesso aos benefícios que o turismo pode nos trazer. deveríamos unir forças, equipamentos turisticos de todas as localidades do municipio, comunidade interessada, e planejar, pois tendo argumentos e projetos que beneficiem a “todos” fica mais difícil de ser ignorada a importância de tal atividade. acredito que com a formação do grupo gestor do turismo, que já está atuante no municipio, muitas ações favoráveis ao desenvolvimento do turismo começarão a aparecer ainda a curto prazo.

  • Maria Angélica K. KÄUFER
    Responder

    PARABENS! REALMENTE POTENCIAL NÓS TEMOS. O QUE ESTÁ FALTANDO: “POLÍTICAS PUBLICAS” voltadas ao turismo.

  • Letícia Weigert
    Responder

    Difícil apontar onde estão os entraves do turismo em Rancho Queimado. Na minha opinião faltam duas coisas importantes: investimento e bom gosto!

  • Luiza da Silva – Turismóloga
    Responder

    meu primeiro acesso ao portal de rancho queimado foi através do facebook que a delurdes barros, minha cunhada sempre posta. quando li esses comentários me vi na mesma situação, sou turismóloga e moro em são bento do sul, cidade (região) que tem um porencial enorme para o turismo mas que caminha a passos de formiga também. aqui nem é tanto a administração pública que “frea” o desenvolvimento desta indústria sem chaminés, mas o próprio trade turistico (bares, restaurantes, comércio, hotéis, etc) que pensam que o turismo é resultado a curto prazo. não é!! muito tem que se fazer, se pensar, se projetar para que esse resultado venha a médio e longo prazo.
    acho a cidade de vocês um espetáculo, apesar de quando ir praí, ficar mais só na casa da Margarete e do Orli lá na Invernadinha, heheheh.
    parabéns pela preocupação, parabéns pela festa, que apesar de não ter conseguido visitar ainda, vejo o empenho e dedicação da dilma e do pedro henrique em sempre fazer o melhor.
    e a nós, amantes do turismo… persistência, pois sei que um dia conseguiremos olhar pra trás e dizer: demorou mas está aí!
    um grande abraço

  • Dani Walzburiech
    Responder

    Não há nenhum problema com o turismo de Rancho Queimado, mas com quem é responsável por administrá-lo. Um turismo tão rico, que é abandonado pela administração e pelo próprio povo. Lamentável!

  • Roberta David de Pieri
    Responder

    É isso aí, concordo plenamente. Falta interesse dos políticos sim. Muito se diz pouco se faz.
    E desde já deixo aqui meus parabéns a comunidade de Taquaras que tanto faz e trabalha para que cada ano a Festa do Morango seja um sucesso, tanto em organização, gastronomia e a famosa casa do Papai Noel. Parabéns, e que cada ano trabalhado deem à vocês, povo de Taquaras, ainda mais sucesso.
    E quanto ao termômetro, iria ser uma ótima ideia, pois anda fazendo muito frio por aí.
    Abraços.

Deixe o Seu Comentário:

vinte − 17 =